Mulheres na pista

Mulheres na pista

Há algumas semanas li uma frase escrita por uma pessoa que muito me inspira, “Viver é um desafio” , nesse dia das mães, na minha corrida matinal (onde ás vezes penso mil coisas e em outros dias não penso em nada) acabei refletindo sobre o “ser mãe” e o quando isso é um desafio. Um dia você está ali com a sua rotina definida, com os seus interesses acima de tudo e de todos, e no outro chega um ser que é sua total responsabilidade e que, mesmo sem querer, ele acaba sendo prioridade. Não que isso seja racional – alguns chamam de instinto, outros atribuem aos hormônios -; eu não tenho nenhuma teoria definida, só sei que (no meu caso aos 21 anos) fui mãe e minhas estruturas não se abalaram, ao contrário, se tornaram fortes com rocha e desse dia em diante passei a ter um grande desafio; preparar um menino para o mundo…

Mulheres na PistaSeria muito mais fácil se existisse uma cartilha ou até mesmo uma planilha (adoro planilhas), mas infelizmente isso não existe e nós temos que escrever a nossa própria história, com um objetivo muito claro. Em uma das sessões de terapia que eu frequentava quando meu filho era pequeno e estava com dificuldades na alfabetização, foi me questionado o que eu queria para o futuro dele, falei mil coisas como fazer uma boa faculdade, ter um bom emprego, encontrar uma companheira legal, blá, blá, blá…. E, no fim da minha lista, a terapeuta falou “legal, então você que que seu filho seja feliz”, nesse momento minha cara ficou no chão e concluí que toda essa lista não valia de nada e que o meu objetivo como mãe seria formar meu filho para a vida e não para uma boa faculdade, um bom emprego, blá blá blá…. o que é bom pra um não quer dizer bom pra outros e o que é bom pra ele quem teria que decidir seria ele mesmo.

A partir daí comecei a dar importância para outras coisas e decidi que uma boa formação (sempre a melhor que o meu dinheiro pode pagar) e o nosso respeito mutuo cercado de amor ,valores e aprendizado seria a melhor maneira de fazê-lo feliz!

Educação…dar uma boa formação escolar e cultural. Conhecimento é a maior herança que podemos deixar para os nossos filhos, considero isso fundamental e cabe aos filhos dar valor e aproveitar as oportunidades oferecidas. Lá em casa isso sempre foi obrigação dos dois lados.

Respeito… aí começa a dificuldade. Respeitar a forma de ser e as escolhas de cada um não é fácil, o fácil é impor idéias e ideais, o Kauã sempre foi precoce quando se diz respeito a política e economia, desenvolveu suas próprias idéias com base na leitura, internet e televisão, se tornou um adolescente com idéias de “direita” em uma família de “esquerda” …(pensem nas discussões dentro de casa!!!) Mas o que mais pega lá em casa é o quesito atividade física, ele sempre foi orientado a frequentar 5 sessões de atividade física na semana (fora a educação física) e em uma família de atletas é óbvio que ele seria um atleta… Aí vem a frase que esta na moda SÓ QUE NÃO, a opção dele foi encarar a atividade física como forma de saúde e qualidade de vida e no alto dos seus 15 anos, mesmo sendo alto, magro e nanando super bem, nunca participou de nenhuma competição, ok… respeitamos, mas confesso, isso é difícil!!! Mas o respeito também vem dele, imagina uma criança tranquila com os pais ligados no 220W?? Jamais escutamos uma reclamação, foram tantos treinos para maratonas, meio irons e ironman e ele sempre esteve lá torcendo e fazendo a sua parte, sua parte é … respeitar a vontade dos pais e entender todos os finais de semana de treino e as refeições saudáveis que ele foi “obrigado” a compartilhar conosco. Ok, rolou um reclamação do tipo “nunca mais vou comer nhoque na vida” ou então “a nossa geladeira é a que mais tem alface no mundo” mas nunca nos sentimos culpados pelas horas de pedal e corrida que estivemos longe pois o respeito pelo gosto dos pais sempre falou mail alto.

Amor… pensa em uma coisa difícil de administrar , ver seu filho chorar porque quer mais chocolate e você dizer que não é uma baita sacanagem, mas é o certo. Ver seu filho chegar bravo da escola porque tal professor é chato e ele só tira nota baixa, culpar o professor é fácil, o amor que temos por nossos filhos muitas vezes nos cega, difícil é sentar com ele e dar razão para o professor ou então fazê-lo entender que nem sempre vamos gostar de todas as pessoas e que em alguns momentos precisamos estudar mais e reclamar menos!!! Na corrida uma coisa que vejo muitos são mães que dizem não fazer atividade física porque seus filhos choram quando elas saem de casa ou então que elas se sentem culpadas porque já trabalham tanto e não querem deixá-los mais esse tempo. Sim, isso é amor de mãe mas, acredito que amar também é “deixar” e que se seles crescerem respeitando o tempo e a individualidade das mães, se eles crescerem vendo o quanto é bom ver suas mãe felizes, essas crianças (meninos e meninas) serão adultos que respeitam ainda mais o próximo.

Valores… falar sobre valores é fácil, difícil é dar exemplo!!! Depois de ser mãe as preocupações aumentam e os seus valores serão os valores deles, e nesse quesito cada dia é um exemplo a ser dado. Não adianta fazer yoga e não cumprimentar o porteiro, não adianta falar mal dos políticos e não tratar com respeito as pessoas que trabalham na sua casa, não adianta falar mal da sociedade e furar fila pra deixar seu filho na escola. Não adianta dizer que atividade física e boa alimentação fazem bem se você não o faz!

Aprendizado… Ser mãe é estar aberto ao novo todos os dias porque nossos filhos veem ao mundo sem pré conceitos e se estivermos abertos ao novo seremos pessoas melhores e muito mais felizes!

Abraço e até a próxima.

por Rosa Naimara

Uma respostapara Mulheres na pista

  1. Ilane Teixeira disse:

    Rosa Naymara Musa.

Deixar um comentário